terça-feira, 21 de março de 2017

Momento atual da tese



Legenda

Subjetivação Militante

Aspectos Macro Histórico

Centralismo democrático
Nova Polítca Econômica - Stakanovismo
Realismo Socialista - Zdanovismo

Aspectos Micro Relacional

Niilismo Reativo  - Ressentimento - Paixão pelo negativo

Dispositivo Militante -

Centralismo - democrático, autocrático
Burocracia,
Meta: produção de  hegemonia


Estratégia Militante - Revolução

ps: ( lembre de marx, democracia burguesa é falaciosa pq liberdade em um regime burguês é  uma grande falácia - o textos do congresso dos escritores soviéticos)

segunda-feira, 6 de março de 2017

Retomando ideias para Tese


Retomando meu estudo específico, tanto para começar a escrita do ensaio dois da tese ( Inconformados do mundo, uní-vos à esquerda), quanto para ir entendendo melhor algumas questões sobre o surgimento da ideia de militância e para preparar a apresentação a ser feita em Natal, precisei fazer um pequeno ajuste no quadro resumo das hipóteses que havia desenvolvido anteriormente.



Repertórios para contestação das normatividades vigentes



Ativista
Militante

Estratégia

Insurreição
Revolução


Tática
Conexão/Rede
Centralização/Partido


Subjetivação
Conectada
Ressentida


Para falar em subjetivação, eu precisaria pensar nas dimensões de táticas e dispositivos, sendo assim, em minha cabeça, o estudo junto ao PPG Sociologia seria condição para investigação na Psicologia. O descompasso temporal entre eles pode ser um problema, contudo, acho que a atenção metodológica e a dedicação em tempo integral aos dois programas, pode resolver a questão.

ps: A introdução, feita pelo Ademar Boco, no livro da série da Teoria da Organização Política é um texto ótimo que reforça algumas ideias que eu vinha tendo e deu uma pista muito importante sobre a importância de entender melho o que se passou na Terceira Internacional Comunista.  Ele também afirma que a Comuna de Paris serviu de grande inspiração para o molde das formas de ação dos comunistas. 

quinta-feira, 2 de março de 2017

Sobre o museu do amanhã e as perguntas que eu queria ajudar a responder com a tese

Da visita ao museu do amanhã, me vi inquieto com algumas questõe



Onde estamos? Para onde vamos? - perguntas clássicas que os mais bem intencionados humanos tentaram responder.

Como queremos ir? eis um debate mais contemporâneo, fruto de observação e questionamento de experiências anteriores, nas quais os fins justificavam completamente todos os meios.

https://museudoamanha.org.br/pt-br/os-amanhas-possiveis-para-se-conviver-em-sociedade

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Redefinição geral



Anterior  -  estratégia para produzir coletivos engajados às movimentos sociais, capazes de sustentar, individual e coletivamente, as condições materiais de produção de mudanças nas normatividades vigentes.

2017 - estratégia de produção de ação coletiva para disputa dos recursos materiais ou simbólicos, baseada em identidades compartilhadas.

Incorporação da definição de Diane de movimento Social

DIANI, Mario. DIANI, Mario. Simmel to Rokkan and beyond: towards a network theory of (new)
social movements.
European Journal of Social Theory, 3, p.387-406, 2000

Ponderações de Flávio


estratégia para produzir coletivos engajados às movimentos sociais, baseados em identidades compartilhadas, capazes de sustentar, individual e coletivamente, as condições materiais de manutenção ou de mudanças das normatividades vigentes.


Ou ainda: estratégia para produzir coletivos engajados às movimentos sociais, baseados em identidades compartilhadas, capazes de sustentar, individual e coletivamente, as condições materiais de criação, manutenção ou de mudanças de normatividades sociais


Pensando em Tily

repertório de ação coletiva mobilizado para contestação, ou consolidação, de uma determinada normatividade.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

e se....

http://www.universidadepopular.org/site/pages/pt/em-destaque.php?lang=PT

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Alternativas a NYC - efeito TRUMAN




Canadá e porquê não?

https://www.mcgill.ca/students/international/incoming/research/undergraduate

https://www.mcgill.ca/sociology/departmental-research-areas


http://www.sfu.ca/programs/for-international-students.html
https://w05.international.gc.ca/scholarships-bourses/scholarshipnoncdn-boursenoncdn.aspx?lang=eng&menu_id=7


Richard Day,
http://www.queensu.ca/devs/
http://www.queensu.ca/devs/faculty-profiles/richard-day


Recomendação do Richard Day

http://www.queensu.ca/culturalstudies/international/foreign-students

domingo, 2 de outubro de 2016

IX Simpósio Brasileiro de Psicologia Política - Comunicação Oral






Onde Estamos? Como vamos?
  1. Militância como uma racionalidade de organização dos recursos disponíveis e da elaboração de táticas da produção de engajamento dos sujeitos em movimentos de questionamento da ordem vigente; 
    1.  caracterizá-la como tendo surgido em um contexto histórico específico para atender a seus fins; 
    2.  demonstrar como essa lógica se atualiza hoje pelas práticas daqueles que se dizem militantes; 
    3.  apontar como essa lógica, ao ser atualizada por estes mesmos sujeitos, produz um modo de subjetivação que os faz sentir, pensar e agir enquanto militantes.
Para onde iremos? 
  1. Estratégia Militante 
    1.  Revolução – Paradigma de mudança
  2. Tática
    1.  Conscientização
  3. Dispositivo 
    1.  Partido
  4. Subjetivação - Ressentida